Você tem dificuldades de se lembrar do que acabou de ler? Você esquece tudo na hora de uma prova ou não consegue lembrar do último livro que meu, mas tinha certeza que o conteúdo estava na sua cabeça porque revisou? Neste post vamos ver o principal INIMIGO do seu aprendizado e como você poderá aprender de forma mais efetiva com 3 técnicas.

Este post é se origina do vídeo do Superideias #1, o qual você pode conferir no meu canal no Youtube.

Eu gostaria de ter sabido estas dicas há muito tempo. Com certeza, teriam feito minha vida estudantil e universitária mais fácil, pois me ajudaria DEMAIS nos meus estudos e aprendizado. Primeiro, vou te apresentar agora teu maior inimigo quando você está aprendendo algo,

O maior inimigo da memória: ilusão da fluência

A forma mais usual de pessoas revisarem conteúdo é através da revisão de marcações e leitura dos livros. É assim que a maioria das pessoas estuda e isso é uma das principais razões pelas quais não conseguem reter as informações que leram.

Se você já passou por isso de passar horas e horas revisando um material e não conseguir lembrar depois, você caiu na ilusão da fluência.

A ilusão da fluência é justamente aquela sensação de que aprendemos tudo quando estamos lendo um material que estudamos através das anotações e partes grifadas. Você vai dizendo para si: “Sim, sim, entendi. Disso eu sei. Disso também”. Em nossa mente, achamos que aprendemos, mas na hora de testar o conhecimento, vem o famoso “branco”.

Ao ver o material novamente, nós pensamos que sabemos o conteúdo, porque nos familiarizamos com o assunto, todavia estamos sendo vítimas da ilusão da fluência. Pensamos que, porque fatos ou fórmulas ou argumentos são fáceis de lembrar agora, eles permanecerão assim amanhã ou no dia seguinte.

Benedict Carrey, autor de Como aprendemos: a surpreendente verdade de quando, onde e por que aprendemos, nos explica o fenômeno através de sua própria experiência:

Quaisquer “auxílios” de estudo podem criar ilusões de fluência, incluindo (sim) um guia de estudo, e até mesmo capítulo fornecidos por um professor ou um livro didático.

As falsas percepções de fluência são automáticas. Eles formam subconscientemente e tornam-nos pobres julgadores do que precisamos reestudar ou praticar novamente.

A ilusão de fluência é a principal culpada em desempenhos de teste abaixo da média. Não ansiedade. Não é porque você não é inteligente. Não injustiça nem má sorte. E eu tenho certeza de que VOCÊ, assim como eu, já caio nessa ilusão muitas vezes!

Com isso em mente, quando você estiver revendo um material, você se lembrará: “tenho que ter cuidado com a ilusão da fluência. É só uma ilusão”.

Mas então como superar a ilusão da fluência? Vejamos algumas das técnicas para memorizar e aprender melhor os conteúdos que você lê. Presta atenção e comenta abaixo a que você mais gostou.

Revisão ativa

Uma das principais estratégias para superar a ilusão da fluência é a prática da revisão ativa – a prática de você forçar o seu cérebro a recuperar as informações que você leu em vez de simplesmente se expor a elas passivamente, revendo anotações.

#1 DICA – Autoteste

A revisão ativa pressupõe que você se AUTOTESTE continuamente para verificar a fluência das informações em sua mente. Se não conseguir recuperar, é porque o conteúdo ainda não está fluente e você precisa revê-lo.

Ao terminar de ler um tópico de um livro, feche-o e tente relembrar o que você acabou de ler. Isso o ajudará a aprender de forma muito mais eficiente e afastará sua ilusão da fluência.

Você vai perceber um certo desconforto será normal e bastante comum nessa fase, quando você se forçar a recuperar as informações sem a ajuda das anotações. Esse esforço cognitivo será essencial para que você solidifique as ligações cerebrais para relembrar este conhecimento depois.

#2 DICA – Crie perguntas

Uma outra maneira de você praticar a revisão ativa é ir criando perguntas ao conteúdo que você está estudando, de forma que você poderá fazer seu autoquiz quando revisitar o material.

À medida que você for lendo o material você vai elaborando as perguntas para serem respondidas ao final do tópico. Isso vai servir tanto para livros que você esteja lendo ou qualquer outro material que queira aprender.

#3 DICA Ensine-se ou a alguém

Sumarizar o que você acabou de ler é uma outra estratégia de implementação da revisão ativa. Você deverá fazer isso tentando ao máximo não olhar o livro que acabou de ler, de forma que você estará como “se ensinando” o que aprendeu.

Faça um resumo, um comentário – finja e pratique o que aprendeu. Essa é a alma do auto-exame: fingir que você é um especialista, apenas para ver o que você consegue extrair. Isso vai muito além de dar uma rápida olhada nas “perguntas sumárias” no final do capítulo antes de ler.

Após terminar a leitura de um tópico, você vai se ensinar o que você acabou de aprender ou você pode usar seu cachorro. Com certeza, isso vai gerar um desconforto inicial, mas vai ser ESSENCIAL para você fixar esse conteúdo.

Essas tentativas aparentemente simples de comunicar o que você aprendeu, para você ou para os outros, não são meramente uma forma de auto-teste, no sentido convencional, mas de estudo.

Melhor ainda, esses exercícios irão dissipar a ilusão de fluência. Eles vão expor o que você não sabe, onde você está confuso, o que você esqueceu – e rápido.

Ensinando o que você aprendeu para si ou para outra pessoa será uma excelente forma de aprender o leu. Terminado um tópico, faça esse exercício mental para fixar melhor o conteúdo.

Essas seriam minhas 4 dicas para você ler e estudar com mais eficácia.

  1. Cuidado com a ilusão da fluência
  2. Ao terminar de ler algo, feche o livro e tente lembrar o que aprendeu
  3. Elabore perguntas a serem respondidas ao longo da sua leitura
  4. Ensine a alguém

Espero que tenha gostado do artigo.

Envie para um(a) amigo(a) que esteja precisando dessas dicas.

Abraço e boas leituras!

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário