O quão importante é o talento para o sucesso de uma pessoa? Quais são os fatores para uma pessoa se tornar um outlier, ou seja, um fora de série? Nesse grande bestseller de Malcolm Gladwell, vamos ver na resenha prática desta semana quais são os fatores que mais influenciarão a sua carreira, observando a história de grandes ícones, como Bill Gates, Neymar, os Beatles e por que ser inteligente e ser talentoso não basta.

O livro é dividido em duas partes. Os cinco primeiros capítulos trabalharam a importância de criar e aproveitar as oportunidades. A partir do capítulo 6, o autor demonstra a importância e a influência dos legados culturais na formação de indivíduos fora de série.

Ideia 1 – Talento é superestimado

Quando vemos alguém de sucesso e o que a mídia sempre mostra, pensamos logo que a pessoa é uma fora de série, que conseguiu tudo por mérito individual. Nós vemos geralmente a história do nosso herói que nasceu em circunstâncias modestas e, graças ao seu talento e garra, abriu o caminho até o topo. Mas isso é um dos maiores enganos que nós podemos ter.

Todo grande talento mundial, seja na área de esportes, tecnologia, música foi influenciado por uma série de fatores culturais, biológicos, o local onde ela nasceu, seus pais, seus amigos e as oportunidades que lhe foram apresentadas.

Bill Gates, por exemplo, um dos homens mais ricos do mundo, teve sua oportunidade ao nascer na época e na família certa, tendo um centro de computação à sua disposição 24h por dia, 7 dias na semana, quando computadores eram algo extremamente raros e caros.

Se olharmos para o ícone do futebol brasileiro Neymar, nós veremos que o pai dele, que havia jogado futebol amador, foi um dos maiores incentivadores de sua carreira. E outra, aos 6 anos, ele caiu nas graças do caçador de talentos Betinho. 6 anos!

O carvalho mais alto da floresta não é o mais alto porque se originou do fruto mais resistente, mas porque também nenhuma outra arvore lhe bloqueou a luz solar, porque o solo era profundo e fértil, nenhum coelho lhe roeu a casca quando jovem.

E assim são as pessoas. Não basta ter talento. É preciso uma série de fatores para que uma pessoa se destaque, sejam eles culturais, genéticos, um mentor, uma bolsa de estudos que você ganhe, um LIVRO que você ler que mude sua forma de pensar.

Ideia 2 – Regra das 10.000 horas

A segunda grande ideia se refere a regra das 10 mil horas. Gladwell fala sobre a regra das 10000 horas, que é a quantidade de horas que você coloca em algo para realmente se tornar um expert em algo.

Foi feito um estudo sobre violinistas de um determinado seminário sobre qual era o fator que influenciava seu sucesso, se era talento inato ou qualquer outra coisa, e a resposta não foi outra senão mais uma vez a PRÁTICA – a quantidade de tempo que eles se dedicaram ao violino.

O que eles descobriram foi que para uma pessoa se tornar um professor que pudesse ensinar, ela precisava ter acumulado 4 mil horas, para ser considerada BOA, 8 mil horas, e para se tornaram ícones nacionais ou internacionais, 10 mil horas de prática deliberada.

Um exemplo são os Beatles. Gladwell diz que, na história da banda, eles tocaram durante três anos na cidade de Hamburgo, Alemanha, em casas noturnas, antes de se tornaram famosos. Deixa eu fazer fazer um adendo aqui porque morei em Hamburgo por um ano!

Eles tocavam quase todos os dias da semana, durante incríveis 8 horas por dia. Vejam, 8 horas por dia durante três anos, dá quase as 10 mil horas de prática. Ao todo, em um ano e meio, eles tocaram 270 noites. Antes do primeiro sucesso deles 1964, eles já haviam tocado 1200 vezes!! Tem nocão disso? A maioria das bandas de hoje não tocam 1200 em toda carreira. Hamburgo foi portanto essencial na carreira dos Beatles.

Ideia 3 – Prática deliberada

A terceira grande ideia se refere a prática deliberada. Para você se tornar um outlier, você vai ter que se dedicar deliberadamente para ficar bom em algo.

Desde que você seja bom o suficiente para praticar uma atividade, a única que coisa que vai contar para seu sucesso é a quantidade de horas e trabalho árduo colocados na atividade. Por ser bom o suficiente, entendamos que você preenche os requisitos mínimos para uma atividade. Por exemplo, eu nunca me daria bem numa carreira como jogador de basquete ou cantor.

Mais uma ideia sobre prática deliberada é que você deve estar concentrado na atividade que você está fazendo. Por exemplo, tem muita gente que diz que estudou 6 horas num dia ou passou 1:30 na academia malhando, mas, se nós formos realmente analisar, o valor líquido da prática deliberada, com concentração e foco na atividade, nós veremos que esses valores são irreais, uma ilusão que não reflete a realidade.

A lição aqui para nós é que se nós quisermos ficar realmente BONS em algo, vai ser com o tempo, com muito trabalho árduo e dedicação, não adianta pular fases – o que é muito normal para pessoas no início da carreira.

Ideia 4 – Se concentre em melhorar uma coisa de cada vez

Ainda sobre prática deliberada, além de você estar focado e concentrado na atividade que você está fazendo, você deve se concentrar em melhorar uma coisa de cada vez. Para demonstrar isso, vou lembrar aqui das minhas aulas de natação. Quando você começa a praticar natação, você vai treinar um dia braçada, outro dia pernada, outro dia salto e num outro dia vai juntar tudo. È o mesmo princípio. Se concentre em melhorar um aspecto de cada vez para depois fazer a orquestra tocar com perfeição.

Ideia 5 – Quando você começar algo não espere ser bom

Essa ideia é uma das que mais gosto. Quando a gente começa alguma atividade, é normal querer se comparar aos melhores. Tipo, se você iniciar a praticar uma arte marcial, você vai querer ser de cara tão bom quanto um faixa preta. Quando você começar a praticar um novo idioma, você já quer falar que nem um nativo. Quando eu comecei a fazer estes vídeos, eu era bem pior do que você está vendo agora.

MAS nós temos que deixar esta mentalidade de lado. Nós NÃO SEREMOS bons nas primeiras horas em que praticarmos uma nova atividade. Seremos amadores. Deixa essa mentalidade de lado.  Tenha a mentalidade de um bebê e não se cansa de ir aprendendo mesmo caindo centenas de vezes para aprender a andar, falando as coisas mais absurdas para aprender a falar. Somente a prática deliberada e o tempo vai te trazer a maestria dessa atividade.

Então quando você estiver começando uma nova atividade, se concentre em ser 1% melhor por dia. Em aprimorar pouco a pouco. Não em se tornar um mestre Yoda em 1 aula.

Ideia 6 – Oportunidades

Gladwell mostra que o sucesso também está relacionado ao momento vivido e às oportunidades que o local particular apresenta ao indivíduo. O que pode ser um fracasso de uma pessoa numa ocasião, talvez possa ser a glória de outra em outra época.

As oportunidades sempre, sempre existirão, mas talvez você ou eu não estaremos preparados para agarrá-las por falta de preparação…

Eu e você vivemos na Era da Internet, que só tem 20 e poucos anos e está se alastrando para tudo na sua vida. Imagina como vai ser daqui mais 20 anos… Já entrou na onda?

Ideia 7 – QI não é o mais importante

Muita gente se apega ao QI para determinar se uma pessoa terá sucesso ou não. Malcom Gladwell desmistifica isso – O QI não é a coisa mais importante. Para provar isso, ele conta a história dos Termites, um grupo de jovens gênios com QI superior a 140s que foram estudados por toda sua vida pelo pesquisador Terman.

Eles foram rastreados, testados, medidos e analisados durante sua vida. E a conclusão? Os térmites não se tornaram a elite suprema dos EUA, como seu idealizador queria. Foram bem, mas não taaaao bem.

De fato, existe uma relação entre o sucesso e o QI, mas isso só funciona até certo ponto. Segundo o autor, depois dos 120 pontos você pode doar, pois não precisará mais deles..

Caso você tenha curiosidade de saber seu QI – Teste de QI: http://www.testedeqi.net/ – mas não se apegue a isso. Existem 9 tipos de inteligência humana e lógico racional é apenas uma delas.

E aqui vou deixar minha crítica ao ensino escolar brasileiro que é focado em notas e números. Nós somos adestrados a fazer provas, seja na minha época o vestibular, hoje o Enem, na faculdade, pelo menos de Direito, estuda-se para passar no exame da OAB ou para concurso público, o que é deprimente. Quais são as habilidades práticas que sabemos ao sair da escola e da faculdade? Você sabe montar um negócio, tem um pensamento crítico, tem habilidades sociais, sabe seus direitos e deveres? O que você sabe fazer de bom para sociedade?

Ideia 8 – Inteligência prática – habilidades sociais

Gladwell destaca como um dos fatores essenciais no sucesso de uma pessoa sua inteligência prática, que ele define como ser saber o que dizer e para quem dizer, saber quando dizê-lo e saber como dizê-lo para obter o máximo de efeito. Em outras palavras, ele está falando das suas habilidades sociais. Sua capacidade de se comunicar e se conectar com outros seres humanos será essencial para sua carreira.

No livro ele conta a história de um gênio com QI superior a 200 que simplesmente foi um fracassado na vida, porque não tinha nenhuma habilidade social.

Se você quiser saber mais sobre isso, checa o vídeo sobre o livro do Dale Carnegie – “Como fazer amigos e influenciar pessoa” – , no qual algumas ideias para você se tornar uma pessoa mais carismática.

Ideia 9 Seja disciplinado

A nova grande ideia é que para ter sucesso e ser um fora de série, você vai ter que ter disciplina, autocontrole e força de vontade, que é um traço comum a maioria das pessoas de sucesso. Para agarrar oportunidades, colocar suas ideias para frente e trabalhar em busca das 10 mil horas, você vai precisar adquirir dessas habilidades. Digo habilidades porque podem ser aprendidas assim como qualquer outra coisa.

Resgatando aqui uma ideia lá do Poder do Hábito, livro do Charles Duhhig, foi realizado um estudo na Univerdade da Pensilvânia, EUA, de que alunos com mais autocontrole superavam em um fato de 2x alunos com maior QI. Alunos disciplinado tem muito mais sucesso que alunos inteligentes.

Leia a biografia do Jeff Bezos, do Elon Musk, do Abílio Diniz, do M. Dias Branco – você vai ver que TODOS eram altamente disciplinados com seu trabalho.

Depois eu vou fazer um superideias de como você pode também desenvolver essa habilidade.

Ideia 10 – O peso dos legados culturais

E finalmente Gladwell explica as razões pelas quais os asiáticos têm mais inteligência matemática, fundada tanto em razões de origem cultural, como a formação do alfabeto, que se reflete numa maior facilidade na forma de contagem dos números, como em razões de ordem histórico-geográfica, baseada no trabalho nos campos de arroz, que exigem precisão, trabalho duro, persistência e esforço.

Esse “trabalho duro” se transmitiu para a persistência em resolver problemas de matemática, o que, aliado a vantagens de ordem cultural (maior facilidade na contagem de números), oferece vantagens competitivas aos asiáticos, que estão sempre ganhando competições internacionais de matemática.

Fazendo um comparativo aqui entre brasileiros e alemães e asiáticos, não tem comparação o nível de disciplina daquele povo. Meus amigos alemães eram muito disciplinas. Agora vou estudar e iam.

Olhe esta matéria do Estadão, comprovando isso.

Mas uma coisa que nos destacamos é a nossa CRIATIVIDADE. Nós somos um povo muito criativo, que consegue pensar mais facilmente fora da caixa.

Veja o vídeo no Youtube e se inscreva na canal:

Essas seriam as 10 melhores ideias do livro Fora de Série do Malcolm Gladwell.

  1. Talento é superestimado
  2. Regra das 10 mil horas
  3. Prática deliberada
  4. Concentre-se em melhorar uma coisa de cada vez
  5. Não espere ser bom quando você começar algo
  6. Prepara-se para agarrar oportunidades
  7. O QI não é o mais importante
  8. Desenvolva sua inteligência prática.
  9. Seja disciplinado!
  10. O peso dos nossos legados culturais

Um abraço e até mais!

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário